Live Freedom II

Depois do sucesso do primeiro “Live Freedom”, a segunda edição! Tal como no ano anterior, a música e direitos humanos prometem juntar-se numa grande celebração, dedicada às vítimas de violações dos direitos humanos de vários países em todo o mundo.

O “Live Freedom II” decorreu a 10 de Dezembro, Dia Internacional dos Direitos Humanos e, mais uma vez, três músicos nacionais actuaram em nome de defensores de direitos humanos, integrados na “Maratona de Cartas”, o maior evento mundial da Amnistia Internacional que, em 2012, contou com a participação de mais de um milhão e 900 mil pessoas de dezenas de países. Nesta edição, os 4 casos que integraram a Maratona de Cartas 2013 da AI: 

1) Eskinder Nega, jornalista etíope de 44 anos - foi detido pela oitava vez em setembro de 2011 e condenado a 18 anos de prisão por criticar o governo e pedir que a liberdade de expressão seja respeitada no seu país;

2) Yorm Bopha, ativista do direito à habitação no Camboja – está detida desde setembro de 2012, por acusações que podem ter sido forjadas para a impedir de realizar o seu trabalho;

3) Ihar Tsikchanyuk, ativista bielorrusso pelos direitos LGBTI (pessoas lésbicas, gays, bissexuais, transgéneros e intersexuais) - foi agredido por polícias apenas por ser homossexual. Os responsáveis ainda não foram levados à justiça;

4) Comunidade de Nabi Saleh, Cisjordânia - desde 2009 realiza semanalmente manifestações pacíficas, pedindo o fim da ocupação israelita e da política de expansão dos colonatos na Cisjordânia.

Maratona de Cartas é uma iniciativa global da Amnistia Internacional que anualmente visa promover o envio massivo de cartas e postais por ativistas de todo o mundo para as autoridades de diversos países, em protesto contra as violações de direitos humanos. Em Portugal, 42 mil pessoas deram a sua assinatura para esta grande causa no ano passado. 

Informação adicional: 
A Amnistia Internacional é um movimento global de 3,2 milhões de membros, apoiantes e ativistas em mais de 150 países e territórios, que luta para pôr fim aos abusos de direitos humanos em todo o mundo. Foi fundada em Londres, em 1961. Em Portugal existe há 32 anos. A sua missão é apelar ao cumprimento dos direitos proclamados na Declaração Universal dos Direitos do Homem e noutros documentos internacionais, essencialmente através de campanhas públicas, ações de lóbi junto dos governos e entidades intergovernamentais e de educação para os Direitos Humanos. A música é também uma forma de fazer passar uma mensagem, apoiar uma causa e mostrar que, tal como em 2012, queremos através dela celebrar todas as conquistas e trabalho da Amnistia Internacional em prol dos direitos humanos, mas também mobilizar os portugueses para o ativismo contra as violações de direitos humanos. Muitos músicos e artistas de todo o mundo são parte vital dos esforços globais da Amnistia Internacional para lutar pelos direitos humanos de todos os homens, mulheres e crianças. Todos eles usam a sua voz e talento para consciencializar e contribuir para a angariação de fundos para a Amnistia Internacional, e como protesto contra as injustiças, inspirando os outros a participar e agir pelos direitos humanos.

Convidados

Luísa Sobral
Sérgio Godinho
Batida
 

Apresentação

Nuno Markl
Vasco Palmeirim
10 Dezembro 2013
M/6
Produtor: Amnistia Internacional de Portugal
Ok
Este site utiliza cookies para melhorar o desempenho e lhe oferecer uma melhor experiência de utilizador. Saber Mais